CSI sustentável

Ações refletem cuidado com a Casa Comum

Nesta quarta-feira, dia 05 de junho, celebramos o Dia Mundial do Meio Ambiente. A data foi instituída pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 1974 para sensibilizar e encorajar ações em prol da proteção do Meio Ambiente. Ciente de que a preservação dos recursos naturais é responsabilidade de todos, o Colégio Santo Inácio vem ampliando suas iniciativas na área de sustentabilidade.

“Esta é uma necessidade real em todo o mundo e, embora pareça algo distante e inalcançável, pode se tornar realidade no dia a dia, com pequenas ações que fazem a diferença não só no meio ambiente, mas na vida das pessoas. Aqui no CSI, estamos promovendo ações e atividades para, gradualmente, conscientizar nossa comunidade de alunos, familiares e colaboradores. O objetivo é que todos sejam agentes multiplicadores e possam levar para outras esferas esse conhecimento”, destaca Jorge Alberto Torreão Dáu, diretor administrativo-financeiro.

Entre essas iniciativas está a reutilização de água da chuva em sanitários, lavagem de piso e rega de plantas. No prédio do CESI, foram instaladas cinco caixas d’água, que comportam até 15 mil litros de água para reuso. O teto verde que cobre a quadra São Francisco Xavier é outro esforço neste sentido. A vegetação que ocupa uma área de 240 m² ajuda a reduzir a temperatura, tornando o ambiente mais agradável para alunos, professores e visitantes. As piscinas do CESI e os chuveiros da residência dos jesuítas têm a água aquecida através de um sistema de energia solar, fonte energética limpa e renovável.

A redução no uso de papel também é uma meta do colégio. Atualmente, são utilizadas 500 mil folhas por mês. Aos poucos, vão sendo implementadas ações para diminuir este volume, como a emissão de boletos digitais no lugar dos tradicionais boletos impressos, o fortalecimento do uso do e-mail como canal de comunicação com as famílias e, em breve, a utilização do aplicativo Educonnect para envio de mensagens a alunos e responsáveis em substituição a alguns tipos de circulares.

Há um ano, os copos descartáveis foram banidos do CSI, substituídos por canecas verdes nas áreas de convivência e distribuição aos colaboradores de copos retráteis de silicone. A ação evitou que 25 mil copos descartáveis fossem parar nas lixeiras mensalmente – o equivalente a 100 quilos de lixo por mês!  Outras pequenas ações também foram implantadas. Há cinco anos, o colégio deu início à substituição de lâmpadas fluorescentes, que são de difícil decomposição, por similares de LED, mais econômicas e duráveis.
Desde dezembro de 2017, a equipe de Formação Cristã lidera um projeto ambiental e socialmente sustentável: a coleta de óleo de cozinha. Como parte da Campanha Rio Se Move, criada pela Arquidiocese do Rio, é coletado todo o óleo utilizado nas cozinhas do colégio e da residência. O material é vendido para indústrias de sabão e biodiesel, que reutilizam o material. O valor arrecadado com a venda é repassado à Associação de Comunidades de Vida Mariana (ACVM), que promove atividades espirituais e sociais. Desde o início do projeto, foram recolhidos 522 litros de óleo. “O grande diferencial desta ação é poder transformar algo que seria prejudicial ao meio ambiente caso fosse descartado de forma inadequada em algo que ganha nova utilidade e ainda ajudar o próximo. Precisamos estar atentos à necessidade de cuidar da Casa Comum”, reforça Juliana Lima dos Santos, coordenadora de Ação Social e Voluntariado.

O CSI também conta com coleta seletiva de papel e papelão, através de parceria com o programa Light Recicla. Por mês, é recolhida uma média de 650 quilos de resíduos. Todo o material é encaminhado para reciclagem e o colégio recebe um bônus na conta de luz, que é direcionado ao Centro Pedagógico Agostinho Castejón (Cepac), unidade pré-escolar da Rede Jesuíta de Educação na comunidade Santa Marta.

Em sala de aula, o tema sustentabilidade é uma constante. O laboratório de geociências recebe alunos do 9º ano do Ensino Fundamental e do 1º ano e 2º ano do Ensino Médio. Ali são estudados assuntos como reciclagem e diversidade do solo, através de aulas práticas. Em breve, será inaugurada uma estação biológica na área verde pertencente ao CSI, com berçário de mudas nativas ameaçadas de extinção, composteira com minhocário, composteira vegetal e duas hortas. “Precisamos abrir a cabeça dos nossos alunos e da comunidade para o fato de que é preciso agir agora. A sustentabilidade não é algo para o futuro, mas uma atitude que precisa começar já. E que ela não está restrita ao viés ecológico, mas perpassa também as questões econômicas e sociais, por exemplo. Precisamos intervir no ambiente não apenas para economizar recursos naturais, mas para garantir uma vida melhor a todos”, ressalta Erica Ferreira, professora da Oficina de Sustentabilidade.