2019 - Ano Internacional das Línguas Indígenas

Alunos visitam exposição e participam de atividades

A ONU (Organização das Nações Unidas) declarou 2019 como o Ano Internacional das Línguas Indígenas. De acordo com a Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura), as línguas faladas pelos povos indígenas estão desaparecendo em um ritmo alarmante. Pelo menos 190 idiomas estão em risco no Brasil, conforme o Atlas das Línguas Indígenas da Unesco.

Pensando nisso, a professora de sustentabilidade do CSI, Érica Ferreira, organizou uma exposição sobre o tema com o acervo cedido pelo Museu do Índio de duas etnias indígenas brasileiras - os Maxakalís e os Karajás.

“A exposição foi aberta para toda a comunidade escolar, todavia, em virtude das fortes chuvas, não conseguimos mobilizar todos para visitar, apenas quatro turmas participaram. Mesmo assim, acredito que foi muito proveitoso, eles conheceram, participaram  e aprimoraram os seus conhecimentos sobre os povos indígenas”, disse Érica,  referindo-se às chuvas que caíram na cidade nos dias 8 e 9 de abril e causaram a suspensão das aulas.
Além de 28 painéis fotográficos e 20 objetos em cerâmica da etnia Karajá (habitantes seculares das margens do rio Araguaia nos estados de Goiás, Tocantins e Mato Grosso) e 20 vestimentas da etnia Maxakalí (atualmente localizada no município de Bertópolis, cabeceiras do rio Umburanas, vale do Mucuri, no nordeste de Minas Gerais.), foram realizadas oficinas de grafismo, biojoias e tintas de urucum e jenipapo, palestra sobre a importância da linguagem indígena e um mural de redações.

Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), aproximadamente 817 mil pessoas são declaradas indígenas no Brasil, com cerca de 270 etnias e mais de 190 línguas.